Usabilidade – web 2.0

“Na Interação humano-computador e na Ciência da Computação, usabilidade normalmente se refere à simplicidade e facilidade com que uma interface, um programa de computador ou um website pode ser utilizado.” Fonte: wikipedia.

A idéia de escrever esse post falando sobre a usabilidade, veio de uma pesquisa rotineira sobre o ranqueamento de alguns sites por palavras-chaves no google. Em uma das pesquisas, encontrei um site que me surpreendeu ao dominar em sua totalidade os conceitos interativos da Web 2.0 além de ir ao encontro a tão famosa “Usabilidade”. Como sou difusora maçante dessa nova tendência, fiz questão de destrinchar o site, comentar no blog da empresa e twittar (“um bom exemplo de usabilidade, encontrabilidade, web 2.0 e mais algum termo que você queira classifica-lo”) ressaltando e parabenizando a iniciativa da empresa. Sem mais rodeio, o site é esse aqui: www.tecnisa.com.br. Como trata-se de um site destinado a imóveis, a idéia foi elaborada e arquitetada de forma totalmente inovadora, visto que esse tipo de interação com o uso de redes sociais é na maioria visto em sites de tecnologia ou agências de comunicação. Já na parte de usabilidade, especificamente no que se diz ao layout e arquitetura de links, detalhes pequenos no site foram atribuídos como tão relevantes quanto a um link principal na home, sendo que o restante da navegação é levada de forma intuitiva, por outros links e links.

Minha surpresa na certa será a de muitos quando entrarem no site. Infelizmente, estamos acostumados a sites pirotécnicos em que menus, links, banners se confundem e aonde há desordens por parte de programação e design. Eu e você já tivemos grandes experiências com isso… (pelo que eu me recordo, não fiquei muito tempo nesses loucos sites e nem lembro-me qual eram suas finalidades.)

Muitas vezes o site é o primeiro ponto de partida para um cliente conhecer a empresa. Itens como design atraente, navegação arquitetada e links no lugar de links, são no mínimo essenciais para começar. Vale ressaltar que sites “cartões de visita” não retêm mais o cliente; eles irão gerar no máximo 1 visita e quando muito, duas. Geralmente, a primeira visita é para ver se sua empresa tem site e, a interação cliente versus empresa, pode parar por ai. Para que retornar ao site se o que está lá não será modificado e não trará nenhum benefício ao cliente?go1

Outro exemplo perfeito de usabilidade é o Google! De um site totalmente complexo, com ferramentas fantásticas que nascem a cada dia, a uma interface tão… básica!!! Como já dizia Charles Migus, retirado do livro Google Marketing, “tornar o simples em complicado é fácil, tornar o complicado em simples é criatividade”. Acredito que a tendência natural do homem é buscar cada vez mais a simplicidade nas ações do cotidiano, visto o grande número de ferramentas e informações. Sites loucos que insistem em ser chamativos, podem fazer até certo sucesso no primeiro acesso, por serem novidades, mas em termos de usabilidade, podem mais tarde perderem para sites que priorizam o relacionamento com o cliente.

Efetividade, eficiência e satisfação

Definição dada segundo a norma ISO 9241 – Ergonomia de software de escritório (Fonte: wikipedia).

Efetividade é o ato de trazer resultados positivos a empresa; a eficiência, termo concomitante a efetividade, é medida entre os resultados obtidos e seus recursos empregados; a satisfação, já corresponde a capacidade de atendimento a uma necessidade do cliente. Se o usuário encontra no seu site a eficiência e a satisfação na busca por determinado assunto, há um certeiro retorno não só de clientes, mas também de resultados positivos.

Na elaboração de estudos para iniciação da produção de um site, costuma-se fazer um documento no qual denomina-se benchmarking. Nele é constado o estudo passo-a-passo de no mínimo 2 sites de referencias e ele é o responsável por dizer com que tipo de site seu cliente está acostumado. Em um estudo de Benchmarking, o cliente deverá repassar exemplos de sites (no briefing) que se identificam no ramo e ressaltar pontos que ele determinou como importantes. E é partir disso que toda a proposta do site começará a ser moldada… O benchmarking não é um estudo para a cópia de outros sites, mas uma maneira de dar continuidade a um estilo que deu certo, o qual fez com que os usuários dessem retorno em satisfação, o que se resume em vendas.

Para testes de usabilidade (geralmente no inicio da elaboração do site) utiliza-se muito da tarefa de um usuário comum tentar realizar tarefas simples, como, por exemplo, preencher um formulário de contato. O resultado deve ser esse: navegação intuitiva (segundo o dicionário, intuitivo é: Conhecimento imediato, claro, sem recorrer ao raciocínio). Pontos como arquitetura da informação e layout, devem estar de acordo com o usuário e sua experiência. Qualquer site que não consegue oferecer o básico para o usuário, pode deixar uma imagem negativa para a empresa.

analy1

A usabilidade é paralela no que se refere ao grau de interação usuárioXmáquina e, seus resultados são medidos na taxa de rejeição e retorno, que podem ser analisados pelo Google analytics. A usabilidade influencia o usuário e a leitura dos mecanismos de busca. Pensar de forma diferencial na internet é distanciar em muitos pontos de grandes empresas por ai. Infelizmente, muitos empresários ainda não se deram conta do que é a internet e do seu potencial.

Como sempre, faço no final, uma listinha com dicas resumindo um pouco daquilo que escrevi…


1. Tenha sempre uma conversa franca com o cliente, mesmo que a intenção dele seja a de fazer um site básico, que contenha apenas seu cartão de visitas. Ele deve estar ciente o quanto a internet está presente no cotidiano do seu cliente e o quanto ela, bem aplicada, poderá gerar resultados. (digo isso pois, o cliente solicita muitas das vezes um site básico, por não ter verba suficiente para ter um site dinâmico; com esse papo, é mais fácil convencê-lo que na próxima verba da empresa, ele desloque-a para o aumento de recursos de seu site).

2. Faça sempre um briefing completo. Não se esqueça de coletar sites de referencia para que você possa fazer o benchmarking.

3. Defina a arquitetura da informação através de um fluxograma. Assim fica mais fácil a organização sua e o melhor entendimento por parte do cliente.

4. Antes de iniciar o layout, explique bem para o cliente suas intenções ao apresentar a arquitetura da informação, para que no meio do layout você não tenha surpresas desagradáveis, como possíveis mudanças…

5. No layout defina bem o que mais chama atenção no seu site. Essa parte, obrigatoriamente deve haver com o objetivo descrito anteriormente pelo cliente.

6. Priorize a interação da empresa com seu mercado. Se o público exige maiores explicações sobre o produto, porque não fazer um blog corporativo? Nele o cliente poderá colocar não só noticias do seu mercado, mas espaço também para dicas e esclarecimentos de dúvidas.

7. Explore a internet e permita seu cliente obter um diferencial em relação aos concorrentes.

Até o próximo post!

Bruna Milagres

obs.: Pode copiar, mas não deixe de citar a fonte =)

Anúncios

Sobre brunampl

Bruna Milagres é graduada em Produção Multimídia pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH) e pós-graduada em Marketing Digital pela Universidade Gama Filho. Na escola de artes visuais “Casa dos Quadrinhos”, cursou ”Desenho Artístico” como complemento ao seu trabalho de design. Atualmente trabalha como freelance na área de design e marketing digital.
Esse post foi publicado em Textos e Dicas. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Usabilidade – web 2.0

  1. juliana disse:

    Adorei este post!
    Que raça pra escrever tanto, hehe.
    Depois você entra no seu blog, como leitora e não como autora. Me parece que a parte final, das dicas, está com algum erro ou problema na configuração, sei lá.
    Beijos

  2. brunampl disse:

    Ei ju!
    Obrigada!
    Vou olhar sim… demorei um pouquim para escreve-lo, pois como o assunto é importante e bacana de discutir, eu nao podia deixar de falar ao máximo.
    Valeu pelo coment!
    Bruna Milagres

  3. Olá… li seu artigo no iMaster… muito bom! Gostei muito do blog tb!! Informações muito pertinentes. Estou te seguindo no twitter a partir de agora e sempre te ‘visitarei’ por aqui… rs. Depois vamos trocar mais ideias… abraços!!!

  4. Adriano Rosa disse:

    Parabéns Bruna!! excelente post.

    Bjs

  5. Sandro Figueiredo disse:

    Muito bom o post, porém o difícil está em convencer o cliente que a verba dele não é suficiente para um site dinâmico!
    hahahahaha

    abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s